Nadegi regulamenta carteira que amplia benefícios para as pessoas com Transtorno do Espectro Autista em Camaragibe

A prefeita Doutora Nadegi assinou, nessa quinta-feira (28), o decreto 030/2021 regulamentando a Carteira de Identificação da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista (CIPTEA). Em reunião com mães do Grupo de Apoio aos Pais de Pessoas com Autismo e com o vereador Renê Cabral, a prefeita ouviu as demandas do colegiado. Pelo documento, a Secretaria municipal de Assistência Social fica designada como o órgão responsável pela emissão do documento, que será gratuito. A CIPTEA garantirá a atenção integral, pronto atendimento e prioridade no atendimento e no acesso aos serviços públicos e privados, em especial nas áreas de saúde, educação e assistência social.

A carteira começará a ser emitida após 90 dias. O prazo é válido para adaptação à legislação específica, além de ajustes no sistema de emissão. Os responsáveis que quiseram emitir a carteira, deverão comparecer à Casa da Cidadania, localizada na Avenida Doutor Belmino Correia, 2188, Timbi, no horário das 7h às 14h, portando os seguintes documentos: identidade, CPF, comprovante de endereço, além de duas fotografias no formato 3×4. A CIPTEA terá validade de cinco anos, devendo ser mantidos atualizados os dados cadastrais do identificado.

A Doutora Nadegi destacou a importância da identificação específica. “Recebo, com bastante alegria e carinho, essas mães que são verdadeiras guerreiras. O encontro é pela garantia de acesso a direitos. Nós, como gestão pública, temos o dever de viabilizar mecanismos de manutenção de políticas eficazes e, acima de tudo, respeitosas. A carteira vai ajudar muito essas famílias e a prefeitura vai ofertar a emissão do documento na nossa Casa da Cidadania. Esse é o lugar propício para o atendimento dessas pessoas. É o espaço onde os camaragibenses podem encontrar diversos serviços”, pontuou.

“O sentimento é de alívio e gratidão pelo acolhimento e receptividade (da prefeita) de escutar os nossos anseios, da disposição em nos ajudar tanto no âmbito mental quanto no âmbito físico do tratamento das crianças. Essa carteira de identificação ficou ótima porque nem toda deficiência é de fácil identificação e a gente sabe que o autismo não é uma deficiência aparente. Com a carteira, podemos ressaltar que eles podem ter os direitos garantidos. Achei excelente a iniciativa. Essa carteira de identificação ficou ótima”, disse Maria Camila Barbosa, mãe de uma criança com Transtorno do Espectro Autista.


Publicado em 29 de outubro de 2021
Por Secretaria de Comunicação